Vinhos, Vinhos brasileiros

Projeto História & Vitivinicultura na Serra Catarinense — Falando em Vinhos

Na terça-feira, 08 de novembro, a vinícola Abreu Garcia recebeu mais uma turma do Projeto “História & Vitivinicultura na Serra Catarinense”. O projeto foi idealizado pelo prof. Gil Karlos Ferri e o enólogo Leonardo Ferrari, estabelecendo uma parceria entre a vinícola e a Escola Padre Antônio Vieira, de Anita Garibaldi. As atividades iniciaram em 2015, […]

via Projeto História & Vitivinicultura na Serra Catarinense — Falando em Vinhos

Anúncios
Padrão
Vinhos

Vinhos doces sem preconceitos

imageComeçarei o post com uma explicação da Revista Adega sobre o que são os vinhos doces:

“Os chamados vinhos doces são aqueles que apresentam grande quantidade de açúcar residual, que varia de acordo com a graduação alcoólica e com o método de produção da bebida. Os melhores são os vinhos doces naturais, obtidos a partir de métodos que induzem uma maior concentração de açúcar na própria uva.”

Atenção! Não os devemos confundir os vinhos doces naturais com vinhos suaves, que também são doces, mas recebem açúcar externo.

Os vinhos doces possuem uma alta concentração de açúcares naturais e são, em sua maioria, produzidos com uvas brancas de tipo mais aromático, como Moscatel, Sémillon e Riesling, entre outras.
Apesar do alto nível de açúcar, estes vinhos mantêm sua acidez, fazendo com que eles não se tornem enjoativos e mantenham uma complexidade aromática e gustativa.
Falarei sobre 2 métodos de produção de vinhos doces naturais:
Colheita tardia
As uvas deixadas na videira por várias semanas após sua maturação, até quase ficarem com aparência de passas. Com isso, há uma maior concentração do açúcar da uva na hora da colheita.
Botrytis Cinerea
Durante o processo da colheita tardia, as uvas podem ser atacadas por um fungo que perfura a uva causando seu apodrecimento.
Entretanto, dependendo da região, do clima e temperatura ideais, este fungo apenas suga a água das uvas, mantendo todos os outros nutrientes e sabores. A partir daí surge o vinho chamado “botritizado”.

As regiões mais propícias ao desenvolvimento do vinho botritizado (ou “podridão nobre”) são França onde são produzidos os Sauternes, Hungria, terra dos Tokaji e Alemanha, dos Trockenbeerenauslese (TBA).

 

Abaixo segue um vídeo explicativo sobre os vinhos botritizados e de colheita tardia:
E estes foram os sites que inspiraram meu post de hoje. Neles vocês encontrarão mais detalhes sobre o assunto:
Os vinhos doces naturais harmonizam muito bem com sobremesas, queijos azuis e patês.
Até a próxima e boa degustação!
Padrão
Sem categoria

Vinícolas brasileiras projetam negócios de US$ 400 mil em feira na China — Falando em Vinhos

A participação das vinícolas brasileiras na ProWine China, que ocorre entre os dias 7 e 9 deste mês, deve resultar em US$ 400 mil em vendas. A projeção é de ampliar o mercado para os vinhos brasileiros num dos países que mais cresce em consumo. A estimativa de comercialização foi feita pelas vinícolas Aurora, Miolo, […]

via Vinícolas brasileiras projetam negócios de US$ 400 mil em feira na China — Falando em Vinhos

Padrão
Sem categoria, Vindima, Vinhos

Vai começar a Vindima 2017!

Olá, amigos!

No início de 2017 (entre janeiro e fevereiro) começará a Vindima no Brasil (sobre a vindima, falamos neste post Começou a Vindima 2016!)

A vinícola Casa Valduga já anuncia os dias de sua festa da colheita: entre 26 de janeiro e 26 de fevereiro, todos os fins de semana. O site de turismo sustentável Viajar Verde tem todas as dicas para quem quiser participar do evento: Vindima 2017 Casas Valduga

Querem conhecer mais sobre a Casa Valduga? Olhem que legal este vídeo promocional:

 

Viva a festa da Vindima!

Padrão